Espanhol x português: regência diferente (5)

Tener miedo a/de algo o alguien (es) x ter medo a/de algo ou alguém (pt)

Embora ambas as preposições (a/de) sejam possíveis em ambos os idiomas, na Espanha ouço mais dizerem tener miedo a. No Brasil, ouvia mais ter medo de. No Brasil, Os Três Porquinhos cantavam: “Quem tem medo do lobo mau?” Aqui na Espanha, como podem ver na capa do livro abaixo, ¿a quién tiene miedo Caperucita Roja?

Sons das cousas

O título deste post é também o de um capítulo do livro Vocabulário Analógico, de Firmino Costa. A edição que eu tenho é dos anos 1930, comprada num sebo, e já tem as páginas bem amareladas. Mas resiste e ainda é de grande utilidade.

Por exemplo, vocês sabem que palavra dar para o som das coisas?

Aqui vão alguns exemplos, tirados do livro: o burburejar da água, o chiar dos alimentos ao fogo, o galope/tropel dos animais, o estridular do apito, o farfalhar das árvores, o fonfonar dos automóveis, o frêmito das asas, o assobio da bala, o estalar do beijo, o estouro da bomba, o barulhar do bonde, o ranger das botinas, o tilintar da campainha, o retumbar/ribombar do canhão, o chiar do carro de bois, o estalido do chicote, o tilintar dos copos, o tinir das esporas, o restrugir do ferro, o crepitar do fogo, o arquejar do fole, o bater das horas, o bramar do mar, o ranger da pena (de escrever), o bater/ranger da porta, o badalar do sino, o atroar do trovão, o burburinhar do vento, e por aí vai.

Ainda bem que ainda existem esses tesouros que preservam o esplendor da língua portuguesa.

Um abraço, e até a próxima.

Espanhol x português: regência diferente (4)

“Aprender de alguien” (es) x aprender com alguém (pt). Embora também seja possível, em português, dizer “aprendi de meus pais”, o mais frequente é dizer “aprendi com meus pais”. Já em espanhol, o mais frequente é dizer “aprendí de mis padres”.

Exemplos: (es) “Sin duda, el paso del tiempo a veces es algo agradable y solo basta con mirar para ver, para aprender de los errores, para redecorar la casa que habitamos y limpiar el polvo de las esquinas.” Fonte: El País

(pt) “Que aprendi contigo? Aprendi a olhar uma pessoa trançando fios elétricos.” (Clarice Lispector, em “A paixão segundo G.H.”)