Espanhol x português: regência diferente (6)

Jugar a x jogar:

No sentido de realizar um jogo, passar o tempo com um jogo, em português o verbo jogar é transitivo direto. Assim, dizemos jogar futebol, jogar bola, jogar vôlei, jogar xadrez etc. Já no espanhol da Espanha, o verbo jugar, nesse sentido, é usado com um complemento indireto: jugar al fútbol, jugar al balón, jugar al vóley, jugar al ajedrez etc.

 Exemplos:

“Como quem não quer nada, procurei avistar-me com Padilha moço (Luís). Encontrei-o no bilhar, jogando bacará, completamente bêbedo.” (Graciliano Ramos, em São Bernardo)

“`[…] ciudades como Barcelona, en cuya normativa se sitúa la prohibición de jugar al balón desde 2005 y en la que se llegó a instaurar también carteles proclamando el veto.” (El País)

Imagem: elpais.com

Espanhol x português: regência diferente (5)

Tener miedo a/de algo o alguien (es) x ter medo a/de algo ou alguém (pt)

Embora ambas as preposições (a/de) sejam possíveis em ambos os idiomas, na Espanha ouço mais dizerem tener miedo a. No Brasil, ouvia mais ter medo de. No Brasil, Os Três Porquinhos cantavam: “Quem tem medo do lobo mau?” Aqui na Espanha, como podem ver na capa do livro abaixo, ¿a quién tiene miedo Caperucita Roja?

Sons das cousas

O título deste post é também o de um capítulo do livro Vocabulário Analógico, de Firmino Costa. A edição que eu tenho é dos anos 1930, comprada num sebo, e já tem as páginas bem amareladas. Mas resiste e ainda é de grande utilidade.

Por exemplo, vocês sabem que palavra dar para o som das coisas?

Aqui vão alguns exemplos, tirados do livro: o burburejar da água, o chiar dos alimentos ao fogo, o galope/tropel dos animais, o estridular do apito, o farfalhar das árvores, o fonfonar dos automóveis, o frêmito das asas, o assobio da bala, o estalar do beijo, o estouro da bomba, o barulhar do bonde, o ranger das botinas, o tilintar da campainha, o retumbar/ribombar do canhão, o chiar do carro de bois, o estalido do chicote, o tilintar dos copos, o tinir das esporas, o restrugir do ferro, o crepitar do fogo, o arquejar do fole, o bater das horas, o bramar do mar, o ranger da pena (de escrever), o bater/ranger da porta, o badalar do sino, o atroar do trovão, o burburinhar do vento, e por aí vai.

Ainda bem que ainda existem esses tesouros que preservam o esplendor da língua portuguesa.

Um abraço, e até a próxima.

Espanhol x português: regência diferente (4)

“Aprender de alguien” (es) x aprender com alguém (pt). Embora também seja possível, em português, dizer “aprendi de meus pais”, o mais frequente é dizer “aprendi com meus pais”. Já em espanhol, o mais frequente é dizer “aprendí de mis padres”.

Exemplos: (es) “Sin duda, el paso del tiempo a veces es algo agradable y solo basta con mirar para ver, para aprender de los errores, para redecorar la casa que habitamos y limpiar el polvo de las esquinas.” Fonte: El País

(pt) “Que aprendi contigo? Aprendi a olhar uma pessoa trançando fios elétricos.” (Clarice Lispector, em “A paixão segundo G.H.”)

Espanhol x português: regência diferente (3)

Esperar a alguien (es) x esperar alguém (pt): em espanhol, “esperamos a alguien”. Já em português, esperamos alguém, ou por alguém, neste caso com certa carga afetiva: “esperei por ela”. Fontes: El libro del español correcto (Instituto Cervantes) e Dicionário de regência verbal (Celso Luft).

Espanhol x português: regência diferente (2)

Se parece a (es) x se parece com (pt): embora em português também seja possível dizer “ele se parece ao pai”, o mais comum é ouvirmos “ele (se) parece com o pai”. Já no espanhol, o mais comum é “se parece a”: “La música que más se parece al flamenco es la clásica” (Fonte: ABCdesevilla).

Regência: um dos caminhos para evitar o “portunhol” (1)

Uma diferença sutil mas importante entre o português e o espanhol é a diferença de regência, tanto verbal como nominal. Muitas vezes percebo que o falante de espanhol é português ou brasileiro (um deles sendo eu mesmo) pela influência da regência do idioma nativo, e vice-versa.
 
Hoje quero inaugurar uma série de pequenas postagens sobre essas diferenças. Vou utilizar, entre parênteses, as siglas (es) para espanhol e (pt) para português, e exemplificar com passagens de jornais e livros. Entre minhas obras de referência estarão o Dicionário de regência verbal, de Celso Luft, e El libro del español correcto, do Instituto Cervantes.
 
1. Diferente a (es) x diferente de (pt)
 
O espanhol permite a regência “diferente a”. Já em português, dizemos sobretudo “diferente de”:
 
(es) “Boston es diferente a las ciudades americanas…” (jornal ABC), “La Italia de hace treinta años es muy diferente a la actual…” (jornal El País);
 
(pt) “— Dei uma caminhada grande; mas, sim, senhor, isto aqui é bonito, é curioso; aquelas praias, aquelas ruas, é diferente dos outros bairros.” (Quincas Borba, de Machado de Assis), “Descobrimos outro Brasil, tão diferente do Amazonas (…)” (Um solitário à espreita, de Milton Hatoum).

 

“Entre Pinto y Valdemoro”

Vem chegando o verão na Europa, e o assunto quebra-gelo costuma ser as férias. Outro dia, disse a um aluno que ainda não tinha decidido aonde iria, e ele: “Estás entre Pinto y Valdemoro, ¿no?”

Gostei da expressão e fui pesquisar. Pinto e Valdemoro são duas cidades perto de Madri, separadas por um riacho. E a expressão pode se referir a duas situações: a primeira, de indecisão; a segunda, de embriaguez.

Eu me encontrava na primeira situação. Em bom português, indeciso, sem saber para que lado ir, irresoluto. Mas sei que nessas horas é melhor não pensar muito porque “de pensar morreu um burro”.

Deixo aqui um link para o site da Fundación de la Lengua Española, para vocês saberem mais sobre a expressão “entre Pinto y Valdemoro”.

Até a próxima!

 

Inauguração do blog

book_image

Depois de aproximadamente 3 anos publicando conteúdo relacionado com o ofício de tradutor na minha página do Facebook, pensei em migrar para o meu próprio site. É o que estou fazendo hoje. Com esta primeira postagem, fica inaugurado este blog, onde continuarei publicando artigos sobre tradução de inglês, espanhol e francês para português. Também darei continuidade à série sobre diferenças de regência entre português e espanhol, sempre tentando fazer a conexão entre a Espanha (onde moro) e o Brasil. Sejam todos bem-vindos!